Ao contrário dos seres humanos, as aves não transpiram para regular a temperatura – elas perdem calor por meio da respiração, ingestão de água, radiação para superfícies, convecção para o ar e condução para a cama

“A ave deve ingerir água equivalente a 10% do seu peso vivo por dia. É claro que há variação de acordo com a idade, mas sua importância é a mesma em todas as fases: a ausência de água de qualidade leva a sérios distúrbios metabólicos, podendo ser até fatal”, alerta Josênio Cerbaro, Gerente de Programa de Qualidade de água Feed Additives da Trouw Nutrition.

Segundo o especialista, as aves devem ter acesso a água em quantidade suficiente, porém os produtores não podem esquecer de oferecer água de qualidade e na temperatura ideal, uma vez que especialmente no verão o calor corporal tem impacto direto no ganho de peso e na produção de ovos. “As aves com desidratação podem apresentar sinais como pele seca, olhos fundos, fraqueza, coloração das mucosas mais escuras que o normal (rósea),  aumento da frequência cardíaca, entre outros”, informa Cerbaro.

“A ingestão de água pelas aves depende também das condições de infraestrutura da granja. Por exemplo, a altura dos bebedouros devem acompanhar as fases de crescimento e é preciso garantir espaço adequado para que não haja competição entre elas”, explica o gerente.

Em termos de qualidade, a água deve ser potável, apresentando determinadas características, como ausência de turbidez e matéria orgânicas e ter pH um pouco abaixo de 7. Os níveis de dureza (carbonato de cálcio e de magnésio) também devem estar baixos, assim como os sólidos totais dissolvidos e ausência completa de contaminação microbiológica, como, por exemplo, coliformes totais e Escherichia coli.

Josênio Cerbaro destaca que o constante monitoramento da qualidade da água é uma das mais importantes medidas preventivas. “Existem padrões de resultados que devem ser seguidos e intervenções podem ser necessárias. Para a presença de contaminação microbiológica, a correta higienização dos reservatórios e sistema hidráulico da granja deve ser feita com o auxílio de produtos detergentes e ácidos para remoção do biofilme. Já na ocorrência de turbidez e excesso de matéria orgânica, a remoção é realizada com filtros de pressão negativa de areia fina e carvão ativado somada à retrolavagem”.

Para as águas com componentes físico-químicos elevados, o tratamento pode incluir ácidos orgânicos tamponados. Desta forma é possível reduzir o pH da água, sendo o ideal pH 3,8 para impedir o desenvolvimento bacteriano sem comprometer o consumo da água.

Munidos de alta tecnologia, os ácidos orgânicos tamponados representam uma ferramenta segura para tratar e melhorar a qualidade da água, sem oferecer riscos à produtividade da granja, além de barreira natural contra bactérias patogênicas no animal (efeito bactericida) e na própria água, melhorando a sua qualidade. “A mistura de ácidos orgânicos tamponados de cadeia curta e de cadeia média faz como que cada ácido orgânico atue em seu meio, obtendo sua dissociação e consequente controle do crescimento bacteriano”, enfatiza o especialista da Trouw Nutrition.

 

O Anuário Peixe BR de Piscicultura 2022 está disponível para download!

Baixe agora o mais completo anuário de piscicultura e fique por dentro dos dados de mercado, perspectivas de futuro da atividade e muito mais.

🔹Download gratuito em http://peixebr.com.br/anuario2022

#PeixeBR

#repost @Peixebroficial

Dia 22 de fevereiro temos um encontro marcado: o lançamento do Anuário Peixe BR da Piscicultura 2022!

Nosso encontro acontece na próxima terça-feira, a partir das 10h da manhã, pelo zoom. Participe!

Link do Zoom: https://bit.ly/LancamentoAnuario2022

#PeixeBR

[custom-facebook-feed]


TextoRural é a plataforma digital da Texto Comunicação Corporativa
para os seus clientes de agronegócio e da cadeia da produção de alimentos.

+55 11 3039-4100

imprensa@textoassessoria.com.br

Share This