Além do preço, o suinocultor precisa levar a qualidade dos grãos em consideração, a fim de minimizar a ocorrência de micotoxinas. A contaminação por essas substâncias tóxicas provoca queda do desempenho, causando inclusive problemas reprodutivos. A Biomin, empresa de soluçãos naturais para alimentação do Erber Group, destaca a importância de rotina de monitoramento e análises da presença de micotoxinas nas matérias-primas, para reduzir impactos indesejáveis na saúde e na performance do plantel.

“Várias micotoxinas podem afetar o sistema reprodutivo dos suínos. Encontramos com mais frequência nos ingredientes das rações a Zearalenona, o Deoxinivalenol e a Fumonisina. A duas primeiras micotoxinas aparecem esporadicamente, mas, quando presentes, atuam sinergicamente, provocando danos extremos. Já a Fumosina causa problemas respiratórios e reprodutivos. Ela tem alta incidência no milho e na soja”, analisa Augusto Heck, gerente técnico de suínos da Biomin.

A Zearalenona imita um hormônio naturalmente produzido pelos animais, o estrógeno. Em fêmeas, pode levar à falsa gestação e inflamação da vulva e vagina. “Se a prenhez seguir, os leitões nascem fracos ou natimortos e, também, podem desenvolver a síndrome dos membros abertos. No caso dos machos, o impacto ocorre na diminuição do interesse sexual e qualidade espermática, aumento do prepúcio, atrofia dos testículos e crescimento das mamas”, explica Heck.

Os órgãos mais afetados pela Fumosina são pulmões, fígado e coração. Na gestação, essa micotoxina é responsável pela diminuição do desenvolvimento do feto e causa problemas respiratórios. “É importante destacar que a quantidade de micotoxina ingerida e o tempo a que os animais foram expostos determinarão se os danos serão reversíveis. E muitos casos não são e podem até ser mortais”, destaca o especialista da Biomin.

O Deoxinivalenol é responsável pela piora na conversão alimentar dos animais, que podem apresentar vômitos, diarreia, hemorragias no estômago e intestino. “Essa micotoxina tem afinidade com células de rápido desenvolvimento e interfere na maturação de óvulos e espermatozoides. Ela pode ocasionar também inflamações de pele, abortos e sintomas nervosos”, acrescenta Augusto Heck.

Segundo o especialista da Biomin, a estratégia já comprovada para diminuição do impacto dessas micotoxinas envolve o uso de enzimas que as degradem, método conhecido como biotransformação. “Há micro-organismos capazes de produzir essas enzimas, mas elas também são feitas em laboratórios. Inativadores de micotoxinas, como Mycofix®, da Biomin, têm o potencial de proteger o fígado e estimular o sistema imune com compostos naturais. Com formulação que pode conter algas e vegetais, bactérias, leveduras e uma enzima purificada, a família Mycofix® transforma as micotoxinas em produtos inofensivos à saúde animal”, informa Augusto Heck.

Foto: Jairo Backes/ Embrapa

Últimos Kits da campanha Coma Mais Peixe prontos para ir para as mãos dos influenciadores. A campanha Coma mais Peixe é iniciativa da @Peixebroficial com o apoio de empresas de diferentes elos da cadeia de piscicultura e realização da Texto Comunicação Corporativa.

A UPL Brasil apresenta cinco estudos científicos no 45º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras. O evento acontece entre 29 de outubro e 1º de novembro, no Hotel Monreale, em Poços de Caldas (MG). Leia mais: http://bit.ly/31I0qiy

This message is only visible to admins.

Problem displaying Facebook posts.
Click to show error

Error: Server configuration issue


TextoRural é a plataforma digital da Texto Comunicação Corporativa
para os seus clientes de agronegócio e da cadeia da produção de alimentos.

+55 11 3039-4100

imprensa@textoassessoria.com.br

Share This